Comerciais com Cães

by primeiro design

0000000034
A liberdade criativa que existe quando se cria um comercial é o que faz com que os criativos coloquem os amigos caninos em situações das mais diversas para vender o produto em questão, independente do produto a ser vendido, eles sempre acabam chamando a atenção por sua ” interpretação “.

Confira abaixo uma lista desses comerciais bons pra cachorro:

 

 

 

 

 

 

Republished by Blog Post Promoter

Publicidade e propaganda: teorias e estratégias

by primeiro design

00000000344

A atividade publicitária sempre despontou como uma consagrada forma de comunicação com o mercado, com sua carga persuasiva, sua criatividade e o seu reconhecido poder de apropriação teórica e catalisadora das tendências sociais. Este capítulo propõe uma revisão na atual práxis da atividade publicitária que enfrenta duas fortes variáveis: o avanço das novas tecnologias e a economia da atenção, compartilhadas por uma postura hedônica do consumidor contemporâneo. Em busca de alternativas que evidenciem a sua importância na construção da imagem da marca e nas relações de consumo, a publicidade torna-se estratégica diante das novas possibilidades de criação, gestão e distribuição da sua mensagem.

Chamar a atenção sem promover a interrupção
Certamente a missão mais inglória da propaganda neste novo ou atual contexto é o seu compromisso em destacar-se entre os milhares de estímulos dirigidos ou não aos consumidores. Afinal todos nós somos literalmente bombardeados por mensagens, dirigidas, rebatidas ou reverberadas como ondas gigantescas que promovem o afogamento nosso de cada dia. A frase mais comum é: eu vi ou ouvi isso em algum lugar, não sei onde; ou: não lembro a marca, mas o filme tinha uma menina, ou melhor, acho que tinha um carro azul, talvez verde. Enfim, a disputa pela atenção não é novidade nesta área, até mesmo porque a lógica da propaganda como promotora de efeitos junto ao receptor/consumidor, tem como referencia a proposta de Lewis em 1898, com o seu acrônimo (AID) atenção-interesse-desejo. No final da década de 1950 a ênfase neste modelo já contava com a inclusão do A (ação) no final do acrônimo, pois
se atribuía o resultado das vendas como o fechamento deste ciclo (COHEN, 1987). O chamar a atenção é requisito imprescindível para os demais modelos que cuidam dos efeitos junto a recepção, compreendendo que eles ocorrem numa seqüência que se inicia com o tornar conhecido (estágio cognitivo), para posteriormente promover o gostar e preferir (estágio afetivo) e finalizando-se com a compra/aquisição (estágio comportamental) , constituindo-se no conhecido modelo “Hierarquia de Efeitos”, estruturado por LADVIGE & STEINER (1961) .

Mas, como cumprir todos esses estágios se não chamar a atenção? E como chamar a atenção em um momento onde as mídias se multiplicam e a audiência se divide? A competição pela atenção significa partilhar a mente e o coração (mindshare e heartshare) se isto não acontece a propaganda perde sua condição de significar e promover a diferenciação entre produtos/bens e serviços essencialmentes iguais,
portanto, a flexibilidade da propaganda está na compreensão dos novos cenários que a cercam e na reação imediata de suas práticas. Diante um ambiente de possibilidades ilimitadas de seleção e acesso a informação, o recurso mais escasso hoje é a atenção do cliente.

Influenciar o comportamento (a estratégia) e manter ou mudar os hábitos de compra (as táticas) são as doutrinas básicas de praticamente todos os esforços da comunicação de marketing. Dessa forma “Admitidamente manter ou mudar hábitos requer mais que atenção. Mas se a marca não pode adquirir atenção, então nada mais é possível”
(SACHARIN, 2001, p.4).

Ser estratégico é ser criativo
Em pleno anos setenta, quando não se falava em Internet e quando marketing direto era confundido com mala direta e os eventos não tinham a grandiosidade dos mega espetáculos e a nossa televisão contava com pouco mais que cinco emissoras de sinal aberto e não se falava em televisão por assinatura, as revistas e jornais de grande tiragem resumiam-se a pequenas tiragens de cobertura nacional, ou até mesmo regional.

A atenção já era e sempre foi uma preocupação da publicidade, pois ela apresentava uma proposta de amenizar a interrupção junto ao receptor, além de destacar-se da concorrência no espaço comum de veiculação, evidenciando sua criatividade como estratégia de visibilidade. O argumento daquele momento não difere das atuais abordagens sobre a mensagem ser também uma paisagem, pois a publicidade era vista como: Uma das raras mensagens – que é além de tudo uma paisagem (olha-se a publicidade, mais contemplada do que lida); lugar de recreação informativa, de informação recreativa; expressão de um certo olhar sobre o objeto, não do próprio objeto, a imagem publicitária acomoda sua estrutura à sua função (PÉNINOU, 1973, p.62) Nada mais atual como esta proposta, frente um consumidor hedonista, mergulhado em um universo icônico, onde as imagens que se constituem em verdades desfilam freneticamente pelas retinas desse consumidor que seleciona o que deseja ver,
afinal, ele está diante de infinitas fontes de informações.
A proposta de Jean Marie Dru em seu livro “Beyond disruption – changing the rules in the marketplace” (2002) é resgatar a criatividade como a promotora de mudanças significativas nas práticas mercadológicas e seus processos comunicacionais, propondo o disruption como metodologia, ou seja, entende-se o processo criativo como um rompimento dos processos existentes.

Republished by Blog Post Promoter

Os melhores comerciais do Super Bowl 2015

by primeiro design

0000000034

O super bowl é um evento dos mais esperados quando se trata de propaganda nos EUA, não so pelo grande evento do jogo, mas também pela oportunidade de veicular comerciais dos mais variados e sempre com uma criatividade que sempre impressiona.

Agora que os Patriots já levaram o troféu para casa e todas as propagandas já foram reveladas, está na hora de trazer os melhores comerciais que foram exibidos durante Super Bowl 2015. Como de costume, empresas gigantescas fizeram a sua aparição em um dos espaços publicitários mais caros do mundo. Entre elas estão: McDonald’s, Universal, BMW, Microsoft, Toyota, Dodge, Nissan, Fiat, Budweiser, Walt Disney, Kia Motors, Jeep, Paramount, Discover, Lexus, T-Mobile, Pepsei e muitas outras.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Republished by Blog Post Promoter